1 – Encontros de Preparação para a Vida Matrimonial
Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe

A Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe, na Asa Sul em Brasília, realiza Encontros de Preparação para Vida Matrimonial, com duração de oito semanas, oferecido à comunidade duas vezes por ano. São atendidos 25 casais a cada semestre. As vagas costumam se esgotar um mês antes dos Encontros começarem, sem que haja divulgação. São os casais que já fizeram o Encontro de Preparação que, espontaneamente, o indicam para os amigos.
Já são 452 casais de noivos desde 2007, quando o pároco da época aceitou nossa proposta de fazer um encontro mais longo, para quem desejava se preparar da melhor forma possível para o Matrimônio. De início achávamos que não haveria muitos interessados e seria uma preparação para menos de 10 casais por vez. Mas a média foi subindo aos poucos de 10 para 12, 15, 20 até que em 2014 chegamos a 25 casais a cada Encontro e começamos a recusar inscrições por não haver espaço. A partir de então começamos a procurar paróquias que quisessem fazer a Preparação da mesma forma para podermos encaminhar os excedentes. Em 2017 conseguimos que a Catedral de Brasília adotasse a mesma metodologia.

Mas, qual motivo levou-nos a adotar esta metodologia?
Em 1994 conhecemos a metodologia do Diálogo, antigo curso de noivos que não se limitava a dar palestras, mas incluía momentos para que cada casal mantivesse um diálogo após a exposição do tema pelos palestrantes. Esse diálogo era orientado por fichas para que o casal se concentrasse no tema apresentado, e antes de passar para o tema seguinte, os casais se reuniam para uma discussão em grupo. Essa metodologia tem ajudado cada um fixar melhor o que foi apresentado na palestra e saber o que o outro pensa sobre o assunto. Cria o espaço necessário para uma maior reflexão sobre o tema e permite ao casal se conhecer mais antes de assumir um compromisso tão importante.
Quem de vós, com efeito, querendo construir uma torre, primeiro não se senta para calcular as despesas e ponderar se tem com que terminar? (Lc 14, 28-30).

Não se pode deixar de propiciar uma oportunidade para cada pessoa saber se a outra com quem vai se unir por toda a vida está de acordo com a Igreja e consigo mesmo sobre cada tema apresentado. Em nosso entendimento, toda preparação para o Matrimônio precisa propiciar momentos para diálogo do casal a sós, sob pena de ser uma preparação que não serve como referência. Reuniões de grupo ajudam a saber o que os mais desinibidos pensam sobre o assunto, mas não ajuda a saber nada sobre o cônjuge, que pode ficar calado.

Depois de 10 anos aplicando a metodologia do Diálogo em curso de finais de semana, entendemos que o espaço criado para o diálogo era muito curto e o Encontro de Preparação realizado em um final de semana não dava tempo para o casal refletir sobre cada tema com mais introspecção. Então, pensamos em realizar os 8 temas em 8 semanas. Esses temas são os recomendados pela Comissão Arquidiocesana de Brasília a partir do ano em que a Pastoral Familiar assumiu a responsabilidade pelos cursos de noivos e adotou o Guia de Preparação para a Vida Matrimonial da CNBB.

No Encontro da Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe, o diálogo do casal fica como tarefa de casa, pois eles terão uma semana para refletir e dialogar sobre o tema apresentado. Na parte presencial semanal, que dura menos de 2 horas, começamos com uma reunião de grupo em que cada casal deve dizer como foi o diálogo da semana e como receberam o tema apresentado na semana anterior. Dessa forma, eles são cobrados a realizar a tarefa de casa. Apesar de dizermos que eles precisam de meia hora para fazer a tarefa, muitos relatam que ficam mais de duas horas dialogando sobre os temas. As reuniões de grupo são coordenadas por um casal da equipe da Pastoral Familiar e compostas de até 5 casais de noivos. Para a dinâmica, a palestra e o lanche, todos os grupos se juntam.

Como tarefa extra para casa, que não é cobrada, passamos um e-mail com textos, vídeos do Youtube, sugestões de filmes e bibliografia sobre o tema. E também os slides que os palestrantes utilizaram na palestra. Durante as reuniões de grupo, muitos comentam sobre o que viram nesse material, apesar de não cobrarmos nada sobre isso, porque o material é extenso. Esse material sofre alterações a cada ano, pois adotamos os princípios da melhoria incremental contínua.

Para receber o certificado é preciso comparecer a todas as reuniões presenciais. Caso o casal perca alguma, independente do motivo (não entramos nesse mérito), ele recebe um texto sobre o tema para leitura como exercício de reposição (pode ser um livro, uma encíclica, um trecho do Catecismo) e responde a um questionário que demonstre que a leitura foi efetuada. O coordenador da Preparação lê as respostas e dá um retorno individual ao casal sobre a reposição que fizeram. Isso faz com que eles faltem o mínimo possível.

O número de horas presenciais é de 12 horas se descontarmos o tempo do lanche, o que não difere muito de um Encontro de final de semana. Mas considerando-se as atividades de casa, pode-se afirmar, com certa segurança que, em média, o tempo total de Preparação para o Matrimônio gasto pelos noivos é superior a 30 horas.
Frutos da metodologia adotada:

1. Sempre temos tempo de corrigir ou melhorar alguma informação passada por um palestrante. E pedir ajuda ao pároco ou ao bispo em questões mais complexas.

2. Podemos observar e conhecer melhor os noivos, gerando vínculos que duram após a Preparação.

3. Quando preparamos temas opcionais após o término do Encontro, o índice de presença é quase o mesmo dos temas obrigatórios.

4. Criamos dois grupos de recém-casados sendo acompanhados, com 80% deles advindos do Encontro de Preparação para a Vida Matrimonial. Temos consciência de que a Preparação para o Matrimônio, por mais bem-feita que seja, não basta.

5. Mais de 60% dos casais da Pastoral Familiar advém do Encontro de Preparação para a Vida Matrimonial. É uma forma de atrair os jovens casais para a vida da Igreja.

6. Em média, a cada Encontro, um casal decide terminar o noivado. Vários nos relatam que o Encontro ajudou a decidir. Um dos nossos objetivos é que aqueles que não deveriam se casar tomem esta decisão antes do Matrimônio.

7. O índice de separações entre os casais que se prepararam conosco é inferior a 3 %. Talvez esse índice seja um pouco maior porque não conseguimos ter notícias de todos. Mas o índice se deve ao fato de que a maioria do nosso público deseja um casamento para sempre, por isso nos procuram.

8. Temos um formulário aberto para críticas e reclamações anônimas, que tem sido devolvido em branco nos últimos semestres, pois procuramos observar toda crítica colocada nele para não repetirmos a falha.

Conclusão
Há muitos católicos interessados em se preparar bem para receber o Sacramento do Matrimônio. Não falta público. Talvez falte a determinação de cada pároco para oferecer preparações mais longas e profundas em sua paróquia. Mas os agentes de Pastoral Familiar precisam buscar formação contínua. Consideramos que as pessoas possuem senso crítico apurado e não estão dispostas a ficar ouvindo coisas que são baseadas exclusivamente em nossa experiência pessoal. A fidelidade ao magistério da Igreja é fundamental. Mas a Preparação para o Matrimônio não existe para suprir as deficiências da preparação para os sacramentos da iniciação cristã. É oportuno atrair as pessoas que vêm procurar o Sacramento do Matrimônio para participar da vida da Igreja e, a partir dessa participação, dar a formação religiosa que falta. Os quem têm essas deficiências devem ser conduzidos para os cursos apropriados. Os próprios agentes de Pastoral Familiar estão em formação permanente e todos temos nossas deficiências. Em nosso grupo, procuramos fazer com que cada casal dê a palestra por duas vezes seguidas e passe para outro tema, a fim de ampliar seu conhecimento e trabalhar seu relacionamento conjugal em todos os aspectos.

Os jovens casais querem se preparar bem para seu Matrimônio. O Papa Francisco nos pede isso na Amoris Laetitia (205 a 211). Temos que acreditar que podemos melhorar essa preparação.

– Estamos dispostos a nos comprometer com isso?