Segunda, 10 Abril 2017 13:21

Lectio Divina com os jovens: alegria do retorno é maior que a dor do pecado

A última Lectio Divina (Leitura Orante da Bíblia) promovida pelo Setor Juventude da Arquidiocese de Goiânia, durante a Quaresma, aconteceu no dia 8 de abril, sob orientação do bispo auxiliar Dom Moacir Arantes. Os seis encontros tiveram o objetivo de preparar os jovens para a vivência da Quaresma, bem como para a Semana Santa.

“Em tudo aquilo que vivemos, somos chamados a voltar para a casa do Pai”, começou Dom Moacir ao refletir sobre a parábola do filho pródigo (Lc 15,11-32). Ele comentou que, por mais confortável que seja um lugar, não há no mundo melhor aconchego do que o lar. O filho pródigo, ou o filho gastador, tinha um coração inquieto porque não havia encontrado a Deus. Conforme o bispo, nós somos seduzidos pelas experiências do mundo, como o protagonista da parábola. Em seu coração inquieto, ele fez um percurso existencial que nós fazemos também. “O filho deixa o lugar da graça, onde tem tudo e nada falta, e vai para o mundo, toma a herança que não é sua e segue seu caminho. O que ele fez foi tomar a vida que não é sua, que não lhe pertence, e o pai, no imenso amor que tem, o permite ir”, refletiu Dom Moacir, que continuou: “O amor de Deus é tão grande que ele nos permite amá-lo e não querê-lo, embora ele nos ame e nos queira”.

Ao sair em busca da “vida plena” que deseja, o jovem encontra amigos, gasta o dinheiro, vive os prazeres do mundo. Mas quando o dinheiro acaba, tudo o que ele tinha também se finda: saúde, alegria, graça, amigos. “A alma do moço se esvazia porque ele não está mais ligado à fonte, que é o pai. As coisas não têm sabor, a vida não é mais vida. Ele vive na penúria, na fome, e sofre a pior realidade que um judeu pode imaginar”. Mas nem tudo estava perdido porque o jovem caiu em si (v.17), lembrou-se da casa do pai. Dom Moacir traduziu aquela que poderia ter sido a reflexão do jovem naquele momento. “Existe um lugar onde há vida; talvez eu não consiga viver nele, mas pelo menos ao redor, poder sentir o cheiro, viver como empregado, escravo de meu pai”. Neste momento, o moço sai em oração, ensaiando como dizer ao pai que está arrependido. “É uma oração porque ele faz como nós, ao se preparar para a confissão: “Pai, eu tenho fome e necessidades, preciso de ti”.

Dom Moacir disse que o pecado está sempre a conspirar contra nós. “O filho decide voltar, mas o pecado coloca em seu coração muitos medos e ele se lembra do relacionamento que tinha com o irmão, com os empregados que tratava mal”. O pai, por sua vez, está todo dia a esperar o filho, da mesma forma que Deus nos espera. “Será que ele volta hoje? Será que ele agora vai abandonar o caminho dos porcos? O filho não sabia que aquele seria o último dia de trevas e tristeza em sua vida. Judeu não tem o hábito de correr, mas, no dia do encontro, ele corre porque Deus rompe todas as barreiras para nos ter. “Quantas vezes as pessoas desistem na última hora, por isso o pai corre, não espera. Não dá tempo nem de o moço rezar a oração que tanto ensaiou no caminho”.

A alegria da volta do filho é muito maior que a dor que o pecado lhes causou. Segundo Dom Moacir, o pior momento dele foi o melhor de Deus. A festa foi a consequência de tudo. O filho mais velho, porém, não entrou na casa. Ver o irmão voltar depois de esbanjar os bens do pai lhe provoca a ira. O novilho cevado que o pai manda matar ao filho mais novo era cobiçado pelo mais velho (v.27). “O pecado nos faz juízes, nos faz querer ser melhor que os outros. E o pai sai duas vezes para recuperar os filhos. O filho mais velho, entretanto, mesmo morando com o pai, está distante dele, não faz as suas vontades”. Segundo o bispo, o mais velho não foi capaz de buscar o mais novo. “Hoje somos chamados a vencer o pecado que há no irmão mais velho”. O filho mais velho é ainda “aquele eu contaminado pelo pecado que não quer que o eu busque o pai”.

Dom Moacir também refletiu sobre o que seria o pensamento do pai ao reencontrar o filho: “Não sei por onde andou, quais foram seus pensamentos, olhares, palavras, desde a última confissão. Mas sei de uma coisa: não importa aonde andou, mas onde quer estar. E é isso que Deus pede: voltar para casa”. Independentemente de qualquer pecado, Deus nos quer e só o amor é capaz disso. Precisamos permitir que o Pai nos coloque as sandálias, o anel, as roupas novas”, completou.

Como proposta de ação para a semana, o bispo pediu a vivência profunda da Semana Santa, de modo que o tempo de trabalho espiritual seja redobrado. Ele disse também que não é justo transformar em lazer essa semana, porque para os cristãos não se trata de feriado”.



www.arquidiocesedegoiania.org.br 

ARCEBISPO

Dom Washington Cruz

(62) 3223-0759
curia@arquidiocesedegoiania.org.br 

Praça Dom Emanuel, s/nº - Centro, CEP. 74.013-020 Goiânia-GO Cx.Postal 174/74001-970

BISPOS AUXILIARES
Dom Levi Bonatto

Dom Moacir Arantes

 
MUNICÍPIOS: Abadia de Goiás, Aparecida de Goiânia, Araçu, Aragoiânia, Bela Vista de Goiás, Bonfinópolis, Brazabrantes, Caldazinha, Campestre de Goiás, Caturaí, Cristianópolis, Goiânia, Goianira, Guapó, Hidrolândia, Inhumas, ltauçu, Leopoldo de Bulhões, Santa Bárbara de Goiás, Santo Antônio de Goiás, São Miguel do Passa Quatro, Senador Canedo, Silvânia, Trindade, Varjão, Vianópolis.

 

 

© 2018 CNBB Centro-Oeste - Todos os direitos reservados

Rua 93, nº 139, Setor Sul, CEP 74.083-120 - Goiânia - GO - 62 3223-1854